Naufrágios… sobre navios, pessoas e organizações

O renascer de uma vida nova


Acabo de retornar da Flórida, onde estive mergulhando em naufrágios. Impossível não ser impactado por estes navios, sentados, alguns sobre seus cascos, outros deitados de lado, sobre seus bordos.

Ao chegar em um navio destes não encontra-se um monte de destroços sem vida. Encontra-se um lugar rico e acolhedor. Sente-se a presença do próprio naufrágio a recebê-lo e, de certa forma, protegê-lo.

O naufrágio nos recebe em sua grandiosidade e em sua absoluta majestade, abrigando uma quantidade abundante de vida marinha e uma beleza sem par.
Estivemos em Key West, para mergulhar no famoso Vandemberg. Dedicamos dois dias a isto, ansiosos e cheios de equipamentos. No primeiro dia a marinha interditou a operadora com a qual iríamos para o navio. No Segundo dia corremos, conseguimos outra operadora e agendamos logo mergulhos pela manhã e pela tarde. Ao chegar o dive masterlocal caiu na água e logo voltou para nos avisar que a corrente estava fortíssima e inviabilizaria o mergulho. Fato que ocorreu poucas vezes nos últimos anos.  Há que se saber escutar. O Vandemberg não queria visitas naqueles dias. Fomos a Key Largo e fizemos mergulhos maravilhosos em navios como o famoso Spiegel Grove, o Duane e o USCG Bibb.

Estes navios tiveram uma atividade intensa quando ainda cortavam a superfície, mas tornaram-se ainda mais famosos ao serem enviados ao fundo. Afundados.
Alguns podem ver o afundar como o fim, mas este é um artifício da mente, não da realidade. Se soubermos mudar nosso ângulo e rever nossas expectativas sobre nossas próprias vidas, o que nos parece um afundar para o fim pode tornar-se um recomeço. O início de uma nova fase que nos permite experiências absolutamente novas, recebendo e abrigando uma vida intensa, experimentando deitar sobre lados que antes não nos eram disponíveis para isto. Convidados a um novo mundo, uma nova situação, temos de entender nossas novas possibilidade e abraçá-las com majestade.

Não acredite que o que nos parece um afundar definitivo é o fim, pois torná-lo um recomeço está em suas mãos. Comece o movimento e a ajuda virá. Mergulhadores curiosos chegarão de todo lado para honrar sua nova fase.
Aos navios em que estive, obrigado pela recepção, obrigado pelas lições. Ao Vandemberg, agradeço o aviso. Retornarei quando te for mais apropriado.

Compartilhe essa página

Deixe seu comentário